Geral

segunda-feira, 16 de abril de 2018

Brasileiro lidera equipe que investiga ataque químico na Síria

Especialistas revelam como age as cinco classes de armas químicas

COMPARTILHE

 

 

É de um brasileiro a responsabilidade de descobrir quais elementos foram usados na suposta arma química lançada pelo governo de Bashar al-Assad contra a cidade de Douma, na Síria, no último dia 7. Diretor de inspeções da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), o cientista Marcelo Kós lidera o esquadrão que está na capital síria desde o sábado (14).

 

"A equipe da FFM (Missão para Encontrar Provas) chegou a Damasco, na Síria, para começar os trabalhos", informou a organização no Twitter. Apontado como causa da morte de dezenas de pessoas e do envenenamento de centenas, o atentado químico é usado como justificativa para o lançamento de 100 mísseis pelos Estados Unidos, França e Inglaterra contra território sírio, na nesta sexta-feira (13).


A operação maciça teve como alvo três instalações — duas a Oeste de Homs e uma na área de Damasco — que estariam relacionadas a um suposto programa de armas químicas sírias. Damasco nega qualquer atentado biológico em Douma. A Rússia também chamou de "montagem" o alegado uso de agentes tóxicos e insiste na investigação da Opaq.

 

Como agem as armas químicas

 

Em entrevista ao Fantástico, especialistas explicaram que existem cinco classes de armas químicas. Os neurotóxicos, como os gases Sarin e o ainda mais potente VX, causam pane no sistema nervoso central, provocando dificuldade de respirar, convulsão, salivação excessiva e ataque cardíaco.

 

As armas sufocantes, como o cloro, provocam sensação de sufocamento, ardor nos olhos, boca e nariz, além de acúmulo de líquido no pulmão. Os gases sanguíneos usam cianeto para bloquear a oxigenação nas células e causar a falência do corpo.

 

As toxicinas, como a Ricina e a Saxitoxina, provocam irritação nos olhos, nariz e garganta, além de edema pulmonar e podem matar. Ao contrário das vesicantes, como o Gás Mostarda, que não é letal, mas atacam a pele, causam dor intensa e podem levar à cegueira.

 

As armas químicas foram proibidas em acordo humanitário internacional, firmado na Convenção de Genebra, e, desde 1997, entrou na jurisdição da Opaq, que investiga e destrói armas em laboratórios de Porton Down, no Sul da Inglaterra.

Fonte: Do NoticiasaoMinuto

ERIELTON VENTUROSO

Rolim de Moura - RO

Noticiário Geral

Neri P. Carneiro

Rolim de Moura - RO

Variedades

Acir Gurgacz

Porto Velho - RO

Política

Luiz Paulo - DESTACA

Rolim de Moura - RO

Geral

Fernando Garcia Lima

Rolim de Moura - RO

Folha da Mata

Delegacia especializada no atendimento à mulher tem nova delegada em Rolim de Moura

67 visualizações

Professora ameaça criança em creche: `Vou furar sua cabeça`

190 visualizações

Homem é esfaqueado e pede ajuda em frente a igreja na zona sul de Porto Velho

169 visualizações

VÍDEO: Bandidos arrombam parede de agência do Banco do Brasil de Nova Brasilândia e furtam armas

312 visualizações

Parto é realizado dentro da viatura do Corpo de Bombeiro no Bairro Cidade Alta em Rolim de Moura

236 visualizações

TRIBUNA TOP DO POVO - Aqui você é Top!

Todos direitos reservados - Maio/2013 - Rolim de Moura - RO

EXPEDIENTE: Diretor responsável: ERIELTON VENTUROSO PINHEIRO - DRT/RO 1409 - Fone: (69) 8415-5956

Jornalista Responsável: ERIELTON VENTUROSO PINHEIRO - DRT/RO 1409 - Fone: (69) 8415-5956

Arte Finalista e Designer: Criação e tratamento de Artes: Fábio Jaguar - Fone: 8501-9990

Fotógrafos: João Evangelista - Fone: 8408-7908 / José Colde - Fone: 8407-0915

Contato: (69) 3442-6961 / tribunatop@hotmail.com / erieltonventuroso@hotmail.com

WEBMAIL ADM